Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

System Overload

  

 

 

Preparei meticulosamente umas perninhas de frango no forno para o jantar. Tinha estado na conversa com a minha amiga C., a trocar ideias de como confeccionar as ditas e tanto as ideias como as papilas gustativas estavam aos saltos só de pensar no repasto.

 

Depois de muito bem temperadinhas, foram dar uma voltinha até ao forno. Enquanto o jantar se ultimava, aproveitámos para dar banhoca ao Pimentinha que tinha o pêlo cheio de pó e com um cheiro meio esquisito.

Começam as perninhas de frango a exalar o cheiro típico de algo que está a ser assado no forno. E foi aí que tudo começou.

 

De tarde, eu tinha sentido uma má-disposição que acalmou um pouco após um chá de cidreira. Mas quando chegou a hora de tirar as pernas de frango do forno e ir degustá-las, eis que se me dá um nó no estômago e uma sensação de náusea semi-presente.

 

Vi logo que, com muita pena minha, aquele não seria o meu jantar. Aquelas pernocas gordinhas e bem temperadinhas e que me tinham dado tanta água na boca. Comecei a arrancar pedacinhos de pão e a comê-los para me esquecer da náusea e acalmar o estômago. Mas afinal que iria eu jantar? Tinha de ser algo sem cheiro, ou pelo menos que o meu olfacto não ficasse afectado. Optei por uma sopa de feijão verde que estava deliciosa.

 

Acabámos de jantar e fui arrumar a cozinha. Todos os cheiros me estavam a fazer mal. De tal forma, que nem sequer fiz um café para mim com receio de nem sequer o conseguir engolir.

Depois de lavar a loiça, com ou sem luvas, tenho o estúpido hábito de ir lavar as mãos à casa de banho. Pois até o cheiro do gel de lavar as mãos me afectou. Voltei a ir lavar as mãos, mas desta vez com o meu gel de banho de framboesa. Quando ando assim com estes sintomas, a fruta acaba por me aliviar de certa forma. E até o gel me aliviou.

 

Talvez até tenha explicação para isto: isto acontece-me quando estou naqueles dias especiais mensais ou quando o meu organismo me começa a mandar alertas de que eu já ultrapassei o limite aceitável de abusos. E desta vez eu acho que é isso mesmo. Os nervos têm-me levado a cometer grandes atrocidades que o meu estômago não suporta. Se eu já sou mais esquisita que eu sei lá o quê com os cheiros, agora imaginem quando o organismo está a fazer tilt, quando tem os red alerts todos a apitar….!!!

 

Bom, está provado e comprovado que não posso sair da linha. Não posso descarrilar senão o meu organismo zanga-se comigo e manda tudo de volta!

Lá vou eu voltar a ser uma menina bem comportada.

 

Smells Like... Something!

 

 

 

 

 

 

 

 

Não suporto o meu cheiro. Há dias, então, terríveis! E agora estou a atravessar uma fase dessas. Agudíssima! Argh!

 

 

Hei! Não é nada disso que estão a pensar…! Não é o meu odor corporal que não suporto. Até porque sou uma gaija muita perfumadinha e lavadinha. É o meu olfacto apuradíssimo, a minha capacidade “cheiratória”.

 

Ando numa fase de olfactitis terribilis aguda. Não sei se é dos nervos, se é do tempo, se é o meu cheiro a ficar AINDA mais apurado. Mas o que é facto é que ando cheia de náuseas, todos os cheiros me incomodam, e não há cheiro que escape aos outros que não venha ter com o meu nariz.

 

É altamente perturbador ter este faro apuradíssimo. Uma pessoa entra em qualquer lado e sente logo todos os odores que por ali existem, conseguindo identificar cada um deles, enquanto às outras pessoas passam ao lado.

 

Imaginem agora como é nos transportes públicos à hora de ponta… ah, pois é! Aquilo é um festival de odores… Ainda ontem eu estava a contar os segundos para chegar à minha paragem pois ia alguém perto de mim com um cheiro que me estava a provocar umas náuseas terríveis. Cheguei ao ponto de ter alucinações, de ver uma cena de vomituração ali no bus. Até já estava a imaginar a mulherzita que ia sentada à minha frente com uma camisola nova e todo o autocarro com uma nova decoração…

 

Já à hora de almoço gramei com o pivete da velha-da-camioneta (um dia destes dedico-lhe um post) e estava a ver que tinha de sair mais cedo do bus e ir o resto do caminho para o colégio a pé. Que cheiro a não sei quê…!

 

 

Heeelp! O que é que posso fazer para evitar isto? Alguém tem algum truque?! Já pensei em por uma mola no nariz mas é capaz de fazer doer um pouco...

 

 

 

Ela Volta a Atacar!!!

Ela actua ao nível da cabeça e provoca vários graus de dor. Os motivos que a levam a atacar são desconhecidos e variam de pessoa para pessoa.
 
Ela pode surpreender-nos quando estamos nervosos, inalamos algum cheiro forte, estamos com fome, expostos a tensão, ou desidratados, ou temos uma alergia alimentar.
 
As consequências do seu ataque interferem, quase sempre, com as nossas actividades pessoais e profissionais.
 
Algumas vezes apresenta aura e outras não. As auras são de natureza tipicamente visual: arco de luzes cintilantes, formas geométricas, etc. Também é comum incluir uma sensação de adormecimento ao longo de um lado da face, mão ou braço, e sensações olfactivas desagradáveis.
 
A mim, provoca-me náuseas, assim como fotofobia (intolerância à luz) ou fonofobia (intolerância ao ruído),
A melhor maneira de me defender dela, é deitar-me, colocar tudo às escuras, eliminar ruídos e cheiros para ver se ela vai embora sem me atacar e, se me atacar, desaparecer mais rapidamente.
 
Hoje atacou-me e ainda não me largou. As estratégias não funcionaram. Já havia algum tempo que ela não aparecia pois ela faz-me companhia constantemente. Deve ter tido saudades.
 
Maldita enxaqueca!!!